Extinção da Justiça do Trabalho

21/01/2019 17:11:00

Oficiais de Justiça integram Ato em defesa da Justiça do Trabalho realizado no Fórum Ruy Barbosa
Aojustra fez parte da organização do movimento ao lado de outras entidades representativas da JT

Oficiais de Justiça do TRT-2 atenderam à deliberação ocorrida em Assembleia na última quinta-feira (17), e participaram, na manhã desta segunda-feira (21), do Ato em defesa da Justiça do Trabalho em frente ao Fórum Ruy Barbosa.

A manifestação foi convocada pela Associação dos Advogados Trabalhistas (AATSP) de São Paulo, em conjunto com a Amatra-2, Aojustra, SASP, Sintrajud, entre outas entidades representativas da Justiça do Trabalho.

Além dos Oficiais de Justiça, servidores, magistrados e terceirizados do Tribunal do Trabalho da 2ª Região; advogados, estudantes e demais representantes da sociedade integraram a mobilização em defesa da manutenção do Sistema de Justiça Laboral (MPT, advocacia trabalhista, associações/ sindicatos e a própria Justiça do Trabalho) no Brasil.

Durante a fala no carro de som, o presidente da Aojustra Thiago Duarte Gonçalves enfatizou que a Justiça do Trabalho é o único ramo do Judiciário que distribui renda no Brasil. “É o único ramo que possui um papel social, que promove uma pacificação histórica entre a classe trabalhadora e os empregadores. É o ramo que garante os direitos trabalhistas quando eles são desrespeitados perante o pacto laboral”.

Para Thiago, quando se fala em extinção da Justiça do Trabalho, pretende-se acabar “com tudo isso que representa esse sistema de justiça laboral. Por isso, nós, Oficiais de Justiça, somos contra a extinção da Justiça do Trabalho”.

O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Dr. Guilherme Feliciano, fez um resgate histórico sobre a JT, chamando a atenção para o fato de que “são 75 anos de história e de excelentes serviços prestados à sociedade brasileira. Nunca se havia ouvido uma palavra de um presidente da república que significasse uma ameaça à Justiça do Trabalho e, por isso, nós temos que estar aqui... e temos que repetir o quanto se fizer necessário: A Justiça do Trabalho é um patrimônio do cidadão brasileiro, é um patrimônio da civilidade, indissociável no estado de direito”.  

Após as falas de representantes das entidades organizadoras do Ato, a presidente da AATSP, Sarah Hakim, fez a leitura do manifesto de lançamento do Movimento em Defesa da Constituição e da Justiça do Trabalho. “Consideramos, pois, necessária e urgente nos colocarmos, de forma expressa e intransigente, em defesa da ordem jurídica e democrática concebida no pacto de 1988 que deu origem à vigente Constituição da República Federativa do Brasil... O ataque à Justiça do Trabalho, baseada em inverdades, é uma afronta velada à ordem democrática e à prevalência da Constituição Federal. Sua eventual extinção representaria não apenas o fim da eficácia dos direitos trabalhistas, o que já é bastante grave, mas também a abertura para um experimento antidemocrático e ditatorial”, afirma o documento.

Por fim, os participantes soltaram balões azuis e, em um gesto simbólico, abraçaram o prédio do Fórum Ruy Barbosa, em união e defesa da Justiça do Trabalho.

A Aojustra promoveu a transmissão do Ato desta segunda-feira, ao vivo, através da página da Associação no Facebook. Outras fotos da manifestação também estão disponíveis na rede social. Clique Aqui para acessar


Da assessoria de imprensa, Caroline P. Colombo