Notícias

11/09/2019 17:15:19

Crônicas: Aojustra divulga mais um texto concorrente
Concurso sobre o dia a dia do oficialato segue até o final do mês de novembro

“O dia da posse” é o tema da crônica divulgada nesta semana pela Aojustra referente ao concurso sobre o dia a dia do oficialato. Ao contrário das semanas anteriores, a Associação divulga somente um texto devido à quantidade de histórias remetidas recentemente por colegas do TRT-2 e de todo o país.

Importante lembrar que o concurso segue até o final do mês de novembro e tem o objetivo de registrar a atividade através de histórias reais que podem ser engraçadas, sensíveis, inusitadas ou até sobre os riscos enfrentados no cumprimento das ordens judiciais. 

Os cinco primeiros colocados serão contemplados com uma viagem para Colônia de Férias em Caraguatatuba conveniada com a Aojustra, além de outros prêmios que serão entregues aos participantes durante a confraternização de final de ano da Associação. VEJA AQUI TODAS AS CRÔNICAS CONCORRENTES

Para participar, o Oficial deve enviar a crônica para os e-mails aojustra@outlook.com e ane.galardi@gmail.com. É importante que o texto esteja devidamente identificado com o nome completo do autor, bem como a lotação e um número de telefone para contato. 

“Convidamos mais Oficiais a se inspirarem e nos enviarem crônicas para que consigamos implementar a ideia da elaboração de um livro sobre o dia a dia do oficialato”, afirma o presidente Thiago Duarte Gonçalves.

Confira a crônica desta semana:


O dia da Posse
Por Bruna Vivian Eustachio de Toledo Piza (27ª VT/SP)

 
Já faz algum tempo que passei no concurso para ser Oficial de Justiça, mas lembro-me como se fosse ontem da forma como o Diretor da Central de Mandados de São Paulo me recebeu no dia da minha Posse e da conversa que tivemos. Ele foi muito atencioso e me deu uma verdadeira aula de como agir em determinadas circunstâncias. Deu uma série de instruções, especialmente como lidar com pessoas nervosas e perturbadas e concluiu olhando bem fundo nos meus olhos e dizendo: 

- Quando você se tornar Oficial de Justiça na prática, atuando nas ruas e enfrentando as situações mais adversas em seu dia a dia, a verdade é que você nunca mais será a mesma pessoa... 

Dito isso, ele abaixou a cabeça e desviou os olhos, cerrando os lábios.

Aquilo me intrigou profundamente. Naquele momento eu realmente não tinha condições de entender qual seria essa transformação tão profunda que eu passaria. 

Após vários anos da minha Posse eu consigo entender perfeitamente o que ele estava tentando me dizer. Foram tantos percalços que passei tentando exercer meu ofício, tantas mazelas do ser humano às quais me deparei, sorrisos e choros no meio do expediente, que, de fato, posso dizer que me transformei completamente e hoje sou outra pessoa, que se arrisca ao entrar sozinha em áreas de risco, em certas áreas de periferias onde há toque de recolher e onde nem o carteiro consegue chegar, que lida com todos os tipos de humores, que enfrenta as intempéries da natureza com bravura - sejam elas chuvas torrenciais, enchentes, calor escaldante, frio de congelar até o nariz -, que sai todos os dias para trabalhar sem saber se vai voltar e que se der medo, reza um Pai Nosso e uma Ave Maria e vai com medo mesmo. 

Não sei se me tornei uma pessoa melhor ou pior, mas com certeza uma pessoa mais forte, mais corajosa, que vence a timidez e conversa o dia todo com estranhos e faz o melhor possível para dar cumprimento às ordens judiciais, faça chuva ou faça sol, doa a quem doer.

 Da assessoria de imprensa, Caroline P. Colombo